Deus é Pai (Parte 1)

Pr. Almir de Freitas

Muitas vezes a palavra “pai” machuca algumas pessoas, pois foram maltratadas ou tiveram alguma adversidade com o seu próprio pai, gerando alguns tipos de traumas, e depois disso a figura paterna acabou por se desenhar de forma negativa dentro de si. E por conta disso, podemos ter certa dificuldade de chamar o nosso Deus de Pai. Nesse sentido, somos machucados no emocional, é lá na alma onde ficam os nossos sentimentos, e se houver algum resquício disso, precisamos ser curados, caso contrário, vamos acabar perdendo todo o carinho que o nosso Pai Celeste tem a nos oferecer.

No antigo testamento, a bíblia nos mostra um Deus que é Senhor, que é fogo consumidor, que é Rei tremendo e terrível em toda terra, e a sua voz é como um trovão que explode nos ares. Todas essas associações que vemos à Deus no antigo testamento não estão lá a toa e cada uma delas existe um significado específico para estarem lá, mas quando alguém lê isso sobre Deus pode acabar se assustando de imediato. Mas vejamos o outro lado do nosso Deus, que sempre foi o mesmo e que nunca mudou:

Porque não recebestes o espírito de escravidão, para outra vez estardes em temor, mas recebestes o Espírito de adoção de filhos, pelo qual clamamos: Aba, Pai.
O mesmo Espírito testifica com o nosso espírito que somos filhos de Deus.
Romanos 8:15-16

Portanto, Deus é o nosso Pai, o nosso Paizinho Querido! E como todo pai, temos que ter temor à Ele. Vale lembrar que temor não é medo, temor é respeito, temor é reverencia. Outra coisa que devemos aprender a ter diante de Deus é a devoção, afinal Ele também é amor. Nosso Pai espera conquistar o nosso coração e nos atrair com todo o seu amor. Ele é apaixonado por nós, e quando o buscamos Ele demonstra todo esse amor em nossas vidas, e é por isso que é tão importante termos devoção à Ele. E muitos de nós não conseguimos ter essa devoção com o nosso Pai, porque nunca recebemos amor e carinho de nossos pais, então deduzimos que do nosso Pai Celestial também não vamos ter, mas isso é um grande engano. Maior prova de amor foi o fato de Deus ter enviado o seu filho para nos salvar de todos os nossos pecados.

Como vimos, no antigo testamento Deus era conhecido apenas como Senhor e não como Pai. Ele só se revelou como Pai após o nascimento de Jesus, o primogênito do Pai. O próprio Jesus nos ensinou isso, que o Senhor é o nosso Pai, conforme podemos ver nos textos:

Portanto, vós orareis assim: Pai nosso, que estás nos céus, santificado seja o teu nome;
Mateus 6:9

E ele lhes disse: Quando orardes, dizei: Pai nosso, que estás nos céus, santificado seja o teu nome; venha o teu reino; seja feita a tua vontade, assim na terra, como no céu.
Lucas 11:2

Jesus, o filho de Deus, que era o seu unigênito, era o seu filho único, deixou a sua divindade nos céus, desceu até a terra e nasceu como um homem, viveu em nosso meio, foi crucificado e entregou o seu espírito, e três dias depois Ele venceu a morte e ressuscitou, e Aquele que era o Unigênito passou a ser o Primogênito, o primeiro de muitos filhos do nosso Deus e Pai, aleluia!

Voltemos um pouco na história, no tempo em que Jesus veio sobre essa terra. Naquela época os judeus foram ensinados sobre Deus, o seu Justo juiz, ensinados sobre aquele que fez fogo cair sobre Sodoma e Gomorra. Foram ensinados sobre quando o povo construiu um bezerro de ouro para adora-lo no lugar de Deus e que a terra se abriu e engoliu todos esses, sendo velhos, adultos ou crianças, sem poupar nenhum deles. Pelo menos uma vez por ano, os judeus iam até Jerusalém para oferecerem sacrifícios à Deus, pelos seus pecados, e também para O adorar em silêncio. Podemos ver o quão sério é o nosso Deus, e de uma forma ou outra o Senhor acabava sendo muito perigoso para eles. Deus exigia sangue para perdoá-los de seus pecados, e podemos então pensar com nós mesmo, que espécie de Deus é esse? Acontece que isso era apenas um símbolo daquilo que o Senhor viria a fazer mais para a frente, através da vida de Jesus, que ao derramar o seu sangue perdoaria o pecado de muitos. E talvez alguns de nós ainda tenhamos essa imagem de Deus, quem nunca ouviu quando criança a seguinte frase: “Se você aprontar, deu vai te castigar!”. Quem sempre nos passa essa imagem negativa de Deus é a religião, e é contra todo tipo de religiosidade que devemos nos manter longe, e passar a viver o puro cristianismo que a bíblia nos ensina no Novo Testamento, onde o nosso Senhor é o nosso Pai, nosso Paizinho Querido.

Nosso Deus nos chamou para termos alegria e paz nEle. E se não nos relacionamos com Ele como nosso Pai, de forma alguma teremos uma vida cristã saudável e equilibrada. Como falamos a pouco, não é somente termos temor, mas também devoção, essas duas atitudes da nossa parte devem andar juntas e em equilíbrio.

E como podemos levar alguém que um dia foi abusado pelo próprio pai a chamar nosso Deus de Pai? O que me vem na mente quando eu ouço a palavra pai? Penso em provisão, ternura e afeto? Ou penso apenas em coisas negativas? Deus se revela a nós com um Pai gentil e perdoador, envolvido nos mínimos detalhes de nossas vidas. E Ele quer sim se relacionar conosco da melhor maneira possível, como um pai amoroso e atencioso se relaciona com seu filho. Deus criou a família exatamente para isso, com o objetivo de criar uma fôrma, para que a Imagem do próprio Deus fosse passada através da família como um todo.

Já parou para se perguntar por que é que nós não nascemos independentes como os animais? Porque é na família que nós entendemos o coração paterno e amoroso do Pai. É na família que vemos o amor e também a correção. Quando vemos algo masculino na bíblia esse algo nos fala de “autoridade”, e quando vemos algo feminino isso então nos fala de “vida”. Pois então concluímos que Deus é Pai com a sua autoridade, e ao mesmo tempo através do seu Espírito Santo Ele é mãe com a sua vida de amor, que gera, e que intercede por nós. Deus criou o homem assim, necessitado de pai e também de mãe. Por isso o diabo está tentando acabar com a família, com a figura do pai e da mãe na sociedade. Muitos tem sofrido rejeição e sido magoados em suas famílias. E se essa foi a minha experiência de vida, talvez seja difícil de enxergar o Deus Pai de como realmente Ele é! Acabamos projetando em Deus aquilo que os nossos pais projetaram em nós, seja pelo lado bom ou seja pelo lado ruim, e é por isso que vemos tantas pessoas magoadas e decepcionadas com Deus, acabam tendo medo e não confiam de forma alguma nEle.

Talvez o nosso pai aqui da terra não tenha sido referência para nós, porém o nosso Senhor, o nosso Pai Celeste quer se manifestar para nós e em nós, com todo o Seu amor em nossas vidas, e já é tempo de colocarmos todas as nossas mágoas para fora, e buscar em nosso verdadeiro Pai toda cura que precisamos ter para vencer essa barreira que nos afasta dEle, do nosso Pai. Mas para isso é necessário que nós coloquemos para fora tudo aquilo que pode ser impedimento, tudo aquilo que nos traz mágoas. O nosso Deus anseia em se relacionar conosco como Pai, e que em nome de Jesus nós não venhamos resistir a voz dEle, antes nos entreguemos com tudo aquilo que somos em seus braços, assim como uma criancinha se coloca no colo de seu pai, assim sejamos nós com o nosso Paizinho Querido.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>