Descortinando o Período de Comunhão

Pr. Almir de Freitas

Texto Base: Atos 20:7-12

Paulo e seus discípulos passaram uma semana juntos e no primeiro dia desta semana, estavam reunidos para celebrar a santa ceia, Paulo por sua vez prolongou em sua ministração, sem perceber a hora passar e quando menos esperava, um jovem adormeceu e caiu da janela do terceiro andar. Imagine que situação constrangedora para todos presentes e ainda mais para o ministro. Entretanto a bíblia relata que Paulo parou a mensagem, desceu do púlpito e foi até o rapaz, ajoelhando e abraçando-o.

O jovem Eutico, que até aquele momento estava morto, recebendo um abraço de Paulo, volta à vida instantaneamente.

Tal atitude de Paulo nos leva a refletir não apenas no poder de Deus que vemos no milagre, mas também em alguns princípios de comunhão que podemos aprender com tais atitudes de Paulo.

Observe que:

  • Quem pregava não era qualquer um, Paulo é um dos maiores líderes do cristianismo que já existiu;
  • O prédio possivelmente era grande, possuindo pelo menos três andares;
  • O ambiente provavelmente estava excedendo a sua lotação máxima;
  • O ambiente era muito bem iluminado, pois a bíblia diz que haviam muitas candeias no local.

Tais características nos indicam que era um ótimo culto, mas nenhuma dessas características foi suficiente para preservar a vida do jovem, toda a estrutura, o excelente pregador, a palavra de Deus sendo ministrada não foram o bastante para impedir que o Jovem morresse. Creio que no início da palavra o jovem estava aberto, sensível e perceptível ao ambiente daquele culto, mas com o passar do tempo Eutico adormeceu, caiu da janela do terceiro andar e morreu. E agora? O que fazer? Só há uma forma de trazê-lo de volta a vida:

Paulo desceu, inclinou-se sobre o rapaz e o abraçou, dizendo: “Não fiquem alarmados! Ele está vivo! ” At. 20:10

Estruturas boas, testemunhos vitoriosos, belas mensagens ou louvores, muitas vezes não conseguem trazer o morto de volta à vida, mas o poder de um abraço certamente levará vida por onde for.

Repare que Paulo para de ministrar, desce, inclina-se e depois abraça. Paulo aproxima-se do jovem morto encurtando a distancia, provavelmente Paulo estava pregando em um palco longe da janela onde o rapaz dormiu, entretanto ele desceu e como se não bastasse ele inclina-se e abraça. Através do abraço de Paulo a vida foi devolvida ao jovem, mas que abraço é esse que tem poder de restaurar a vida de alguém?

Hoje você pode ter um abraço que salva vidas, que reconstrói histórias, mas como poderei levar vida através do meu abraço?

1)   Percebendo a oportunidade: Paulo estava pregando quando aquele jovem cai do terceiro andar, ele simplesmente para de pregar e vai socorre-lo. Paulo estava acompanhado por mais sete discípulos (At. 20:4-5), ele poderia pedir que algum deles  socorresse o jovem, até porque Paulo estava pregando, mas Paulo percebe a oportunidade de marcar a vida daquele jovem.

Crie oportunidade de marcar a vida das pessoas da sua célula, não transfira para seus discípulos fazerem o que é para você fazer. Aproveite a oportunidade de visitar, almoçar juntos,  orar juntos e abraçar liberando o amor e a vida de Deus.

Era costume da igreja primitiva, abraçar, prova disso é que a palavra “Abraço” aprece em sua maioria no livro de Atos, interessante que é exatamente em Atos onde acontece a descida do Espírito Santo, onde descreve a conversão de Paulo e onde descreve o crescimento do evangelho ao redor do mundo.

Esteja atento e perceba as oportunidades que o Senhor está te dando.

2)   Descendo da plataforma: Paulo provavelmente estava ministrando em cima de uma plataforma ou palco, mas podemos observar no texto bíblico que “Paulo desceu”. Descer fala de se envolver no meio do povo, fala sobre ter cheiro de ovelha, fala de se envolver com a realidade das pessoas, fala de compaixão, colocar-se no lugar do outro, é perceber a oportunidade e esquecer os cargos, tomar o encargo e agir como Jesus e Paulo agiam.

3)   Disponibilizando os meus cinco sentidos: Paulo apesar de ter parado de pregar, de ter descido da plataforma, ele ainda não tinha entrado em contato com o jovem morto, mas o primeiro contato acontece quando Paulo se inclina e é nesse momento em que os cinco sentidos aparecem:

a)    Paulo olha  nos olhos;

b)   Paulo ouve o coração do jovem batendo;

c)    Paulo fala que ele está vivo;

d)   Paulo pode sentir o cheiro do jovem, pois estava bem próximo;

e)    Paulo tocou o jovem ao abraça-lo.

A fase de comunhão na célula é demonstrada através dos cinco sentidos, não há comunhão, sem cheiro, sem toque, sem proximidade.

4)   Decidindo abraçar: Abraço fala de aliança, de se tornar um, fala de unir-se para o mesmo propósito. Isso fica exemplificado em Lucas 15:20 quando o Pai corre e abraça o filho pródigo, nos dando um dos mais belos exemplos de perdão, misericórdia, reconciliação e é justamente no período de comunhão que estabelecemos alianças que nos capacita a perdoar, amar e sentir misericórdia assim como Jesus sente. Outro exemplo está em Mateus 28:8-9, quando Maria mãe de Jesus e Maria Madalena, abraçam os pés de Cristo e o adoram. Esse abraço de Jesus e sua mãe trouxe esperança, pois todos estavam desconsolados pela morte de Jesus, mas Jesus está vivo e as abraçou trazendo conforto e esperança. Por fim Paulo abraça os discípulos antes de ir em uma viagem missionária (At 20:1) O abraço libera para o propósito, Paulo abraçar os discípulos ele foi para Macedônia pregar o evangelho.

Precisamos sair da nossa zona de conforto, nos posicionar para viver em plena comunhão com os irmãos. 

 

Dica do Líder: 

Estimule os membros a se convidarem mutuamente para almoços, jantares e lanches, nas casas uns dos outros. Isto aumenta os vínculos do grupo.

Células eficazes fazem mais que orar. Elas suprem, de maneira prática, as necessidades dos irmãos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>