Arquivo mensais:julho 2014

Marcas de um Ministério

Pr. Ricardo Luiz

Textro Base: Gálatas 6:17

Em suas epístolas, Paulo nos revela que o seu ministério fora repleto por marcas, mas podemos destacar dois tipos de marcas que fizeram a diferença em sua vida e ministério: as marcas que ele recebeu de Cristo, e as marcas que ele deixou na vida de outras pessoas.

Quando falamos em marcas, elas podem ser boas ou ruins e podem vir através de traumas, circunstâncias ou até quando ficamos feliz por ter recebido algo bom.

Temos dois aspectos quanto às marcas em nossas vidas:

1)    Deus quer marcar a sua vida:

A grande maioria das pessoas foram marcadas negativamente por palavras, perdas, abuso sexual, abuso de autoridade, tais marcas transformam negativamente a vida dessas pessoas. Primeiramente Deus quer apagar definitivamente essas marcas negativas que adquirimos em nossa trajetória de vida. Em atos 9:1-9, vemos que Paulo teve um encontro sobrenatural com Cristo, a partir desse momento a vida de Paulo nunca mais foi a mesma, Deus apagou as marcas do seu passado e começou a imprimir marcas positivas na vida de Paulo e em seu ministério. Paulo era perseguidor da igreja, era extremamente religioso e foi marcado negativamente em diversas ocasiões, mas após o encontro com Cristo a situação de Paulo mudou, Cristo marcou a vida de Paulo e quer marcar as nossas vidas

a)    Marca da Misericórdia: Foi a marca pela qual Deus marcou a vida de Caim, era uma marca visível para que ninguém tocasse ou tirassem a vida de Caim;

b)    Marca do Cordeiro: A morte não pode tocar a família e os filhos de quem tem essa marca, assim como a marca do sangue do Cordeiro, nos umbrais das portas dos Israelitas que estavam no Egito o livrou da morte, quem tem a marca do Cordeiro está Protegido.

Mas hoje quando falamos em marca, a primeira coisa que vem em mente são os nomes de grandes empresas do mercado corporativo, a etiqueta de uma roupa de grife e quando olhamos para essas marcas nos deparamos com altos valores monetários, vemos roupas idênticas mas sem a etiqueta da marca, elas perdem o valor, assim também acontece conosco, quanto mais marcas de Cristo em nós, maior é o nosso valor.

Nós temos a marca de Cristo porque fomos comprados por Ele, somo propriedade exclusiva e Jesus é o nosso Senhor.

Por mais que essa marca não seja vista fisicamente, ela é real e o mundo espiritual respeita em todos os aspectos quem possuí essa marca, ela tem poder no mundo espiritual, anjos e demônios respeitam as implicações impostas por essa marca, quem a possuí tem autoridade no mundo espiritual

Se você está passando pelo fogo de Deus, não desista, esse fogo serve para imprimir a sua marca em nós nos dando autoridade espiritual e também aumentando o nosso valor.

Paulo teve sua visão transformada, começou a enxergar coisas espirituais e avançou em todos os aspectos. Assim como aconteceu com Paulo, Deus quer marcar a sua vida, você será transformado e essa marca de Deus será vista por todos ao seu Redor.

2)    Deus quer que você marque vidas:

Davi era um líder excepcional e a forma pela qual ele marcava as pessoas que estavam ao seu redor era acreditando nelas, acreditando que elas podiam ser transforadas, acreditando que Deus poderia agir através delas.

Esse é o exemplo que precisamos seguir, Deus não coloca pessoas ótimas sob os nossos cuidados, justamente para que nós venhamos a acreditar nelas e acompanhar o crescimento real delas.

Assim como houveram pessoas que passaram em nossas vidas e nunca mais fomos os mesmos, assim como Deus usa pessoas para acreditarem e marcarem positivamente as nossas vidas, precisamos nos tornar instrumentos de Deus para marcar positivamente nossos filhos, cônjuges, amigos e parentes para que eles venham a desfrutar o melhor de Deus.

Você foi chamado para tocar e marcar vidas!

Paulo tratava seus discípulos como pai espiritual, ele tinha um único propósito, ele não se envolvia com projetos, tudo que ele queria era Gerar Filhos para Deus.

Um coração de Pai é aquele que quer tocar os seus filhos ao ponto de eles irem além do que o próprio pai foi.

Geralmente pessoas que marcam as nossas vidas são aquelas para com quem temos uma aliança. Os votos que costumeiramente utilizamos no casamento: “… Na Alegria e na Tristeza, na saúde ou na doença, na Riqueza ou na Pobreza até que a Morte os Separe”, é uma base para qualquer tipo de Aliança. Quando algum desses aspectos se manifestam você pode perceber uma Aliança.

Alianças Marcam as nossas vidas e a vida para com quem temos essa aliança.

Em Atos 16:3 Paulo leva Timóteo à circuncisão, em sinal de Aliança. Mas para que Paulo tivesse essa aliança ele precisou tocar na intimidade de Timóteo.
Ele apenas circuncidou mas não Castrou. Timóteo deu muitos frutos!

Marcamos a História das pessoas quando fazemos o que ninguém mais faria por elas, agindo como Cristo Agiu!

Que possamos ser Marcados por Cristo para Marcarmos Vidas, cumprindo assim o Propósito de Deus em Nós.

Jesus está voltando

Pr. Vagner Oliveira

Texto Base: Apocalipse 21:1-27 e 22:1-4

Em Genesis 12:1-5 Deus faz uma promessa à Abrão, e por conta disso, ele não hesitou em deixar sua velha vida e seus antigos costumes para trás.

HARÃ = terra antiga; terra de morte

Abrão deixou seu passado de morte para trás, obedeceu a Deus, não valorizou as coisas do seu passado.

Na nossa vida não é diferente, Deus já nos fez uma promessa de um dia morarmos com Ele, mas quantas vezes não temos valorizado mais as coisas dessa terra ou os hábitos deste mundo? Temos vivido presos no passado.

Em II Coríntios 5:17 diz que tudo se fez novo, mas será que realmente temos vivido dessa forma? Valorizamos o que Deus não valoriza, e desvalorizamos o que Deus valoriza. Deus nos chama para saber que há uma nova terra sendo preparada para nós.

Nós temos a responsabilidade de pregar sobre o Apocalipse, pregar o arrependimento, mas temos perdido tempo com coisas passageiras e não damos o devido valor às coisas eternas.

Precisamos ser como Abrão, estarmos prontos e dispostos a obedecer ao Senhor; Ele tem uma nova morada, o grande problema é que nos esquecemos que só estamos aqui de passagem.

Jesus está voltando, e qual o nível de relacionamento e compromisso temos com ele? O que realmente move o nosso coração?

Existem alguns princípios na vida de Abrão, os quais podem nos ensinar muito:

1)     Abrão deixou sua antiga vida

É impossível viver com Deus com as mesmas atitudes e da mesma maneira como vivíamos antes, quem anda com Deus certamente é transformado.

2)     Ele levou seus familiares

A promessa de Deus não parou nele. Será que temos investido em pessoas que continuarão o que começamos? Será que temos investido até mesmo na nossa família? A obra de Deus não pode parar.

Temos buscado e ensinado tantas coisas culturais às pessoas mas muitas vezes não aprendemos e nem transmitimos o conhecimento das coisas de Deus e por isso não temos sido referencial de Cristo.

Como as pessoas tem nos enxergado? O que tem nos influenciado?

Não precisamos ser iguais ao mundo, mas o mundo precisa querer ser iguais a nós.

Em Romanos 8:22-23 vemos que toda a criação deseja a volta de Jesus, nós devemos desejar e sonhar com isso mais que tudo, nos lavarmos todos os dias com o sangue do Cordeiro. O Senhor levará consigo aqueles que foram lavados pelo sangue.

Que em nome de Jesus possamos buscar a presença de Deus cada dia mais, ter mais intimidade com Ele, nos arrependermos todos os dias para que quando o grande dia chegar, o Senhor nos reconheça como pessoas que o amaram sobre todas as coisas.

Lançando as Redes no Lugar Certo

Obreiro João Paulo

Texto Base: Lucas 5:1-9

Muitas pessoas colocam o seu coração e suas esperanças no lugar errado, e isso acaba por gerar um sentimento de tristeza e fracasso nas suas vidas. Para um pai, um dos piores sentimentos é ver que seu filho se acha um fracassado, quando na verdade é um grande vencedor. Com Deus, nosso Pai, não é diferente, pois Ele quer nos ver trilhar um caminho vitorioso.

Vejamos o texto de Lucas 5:1-9. Notamos grande semelhança com o comentário que fizemos logo acima. A bíblia conta a história de Pedro logo quando começou a caminhar com Jesus. E analisando o texto, vemos que Pedro e os outros pescadores passaram a noite toda ali tentando pescar algo, mas foi em vão pois nada pescaram ali. Temos que ter em mente que a pesca era a fonte de renda deles, ou seja, eles sabiam como, quando e a forma de se pescar, eram profissionais. E como tais, também dependiam da pesca para ter uma renda, para se sustentarem. Agora imagine você, passar a noite inteira no seu trabalho, e no dia seguinte não ganhar nenhuma remuneração. Como você se sentiria: um vitorioso ou um fracassado? A resposta para essa pergunta depende de algo que vamos ver ao longo dessa mensagem.

Vemos que Pedro já estava limpando a sua rede, estava tirando toda sujeira para voltar ali uma outra hora. Imagino que ele deveria estar já exausto, depois de uma noite difícil de trabalho ainda ter que tirar sujeira da rede. Situação difícil essa, Pedro ali devia estar se sentindo cansado e triste por tudo que estava passando.

Essa rede de pesca devemos trazer para os nossos dias, que simboliza o meu coração na Palavra de Jesus. As vezes lançamos nossos corações em tantas coisas, e só acabamos por pescar sujeira e enrosco e é o que nos deixa cansados e tristes, assim como Pedro.

Muito interessante é que se analisarmos o contexto, a cidade que eles estavam ali se chama Carfanaum, que significa “Aldeia de Naum”, e Naum por sua vez significa “Consolador”. Podemos consideram então que ali era um lugar de consolo, e Pedro estava ali, mas sem o verdadeiro Consolador, que é o Espírito de Deus (João 14:16-17). Pedro estava desconsolado de tanto jogar as redes e não ver resultado algum, e pior, pegar sujeira ainda por cima.

Vemos também que ali tinham dois barcos, mas Jesus entrou especificamente no barco de Pedro. Isso nos mostra que tudo tem o seu propósito, para tudo Deus tem um plano já estabelecido. Jesus diz em João 16:33, que no mundo teremos aflições mas para termos um bom ânimo pois Ele venceu este mundo, e é justamente isso que Jesus quer passar para Pedro, quando dá a seguinte instrução:

“Quando acabou de falar, disse a Simão: Faze-te ao largo e lançai as vossas redes para a pesca.” Lucas 5:4

Jesus instrui Pedro para ir até o fundo e então jogar as redes. Isso nos fala que não adianta de nadar jogar as redes no lugar errado, no raso, só vai trazer sujeira e enrosco para nossas vidas. Onde tenho lançado as redes do meu coração? Em Jesus ou nas coisas desse mundo? Amado, jogue as redes do seu coração, as suas necessidades em Jesus.

A resposta de Pedro foi determinante para a mudança na vida dele. Pedro ali foi obediente, pois como dissemos ele era um profissional, sabia o que estava fazendo. Talvez não tenha sido fácil dar ouvidos a Jesus, que tinha acabado de chegar ali, mas ainda assim Pedro foi obediente dando ouvidos à Jesus, e fazendo o que Jesus mandou. Faça como Pedro, mude sua forma de pescar, renove a sua mente, e faça a vontade do Senhor. (Romanos 12:2)

Devemos saber que somos filhos do Senhor, e que Ele é o nosso Pai! Se tem uma coisa que filho sabe fazer bem é tocar o coração de seu Pai. Precisamos ter a convicção disso em nossas vidas, e aprendermos a colocar todo o nosso coração em nosso Pai amado. A palavra diz que é em nossa fraqueza que Ele nos aperfeiçoa pelo seu poder (2 Coríntios 12:9), então se a situação está difícil, está na hora de deixar as forças humanas de lado e deixar que Ele nos guie e nos diga o que fazer.

Um exemplo na bíblia que podemos dar sobre situações difíceis é o de José. Muita coisa do que ele viveu foram coisas que ele mesmo plantou, porém outras não, como por exemplo quando ele foi preso acusado de cobiçar a mulher de faraó, quando na verdade não havia feito nada. Essa situação porém era um tratamento na vida dele, já que mais tarde ele viria a ser o governador de todo o Egito. Uma coisa é certa: estar no centro da vontade de Deus nos traz paz, e nada pode nos parar quando vivemos o propósito de Deus para nós.

Onde tenho lançado as redes do meu coração? Pedro primeiramente lançou na sua força, no seu conhecimento e nas suas habilidades. Mas logo achou o seu caminho, e quando Jesus o guiou, lançou a rede do seu coração nas palavras de Jesus, no próprio Jesus ele as lançou, e quando fazemos isso, nós não nos frustramos nem nos sentimos tristes, muito pelo contrário, achamos o sentido real das nossas vidas, pois este é o lugar certo para lançarmos o nosso coração: em Jesus.

Motivos de Alegria

Preletor: Pastor Roosevelt

Texto Base: Mateus 2:1-11

Um assunto que quase não ouvimos falar é dos reis magos, tanto que na bíblia eles só são citados uma vez. Mateus não revela quantos eram esses homens que foram visitar Jesus, mas revela que eram reis. Depois de aproximadamente 300 anos que foi descoberto que se tratava de três pessoas, Melchior que era Sírio, Gaspar era Indiano e Baltazar que era Árabe. Vale ressaltar também o significado do nome de cada um deles. Melchior significa Deus Envia o Rei, Gaspar é Aquele Que Testemunha, e Baltazar é Aquele Que Manifesta o Rei. O primeiro presente que foi o ouro está relacionado à realeza, o segundo que é o incenso representa a fé e a mirra que representa longevidade, eternidade. Mas, porque esses homens que eram reis decidiram sair de sua terra, para fazer o que eles fizeram? Acredita-se que o tempo de viagem desses homens tenha sido de dois anos. Qual foi objetivo dessa viagem? É certo que não foi ao acaso. Era um projeto de Deus, pois foram guiados por Ele. 

Tendo, pois, nascido Jesus em Belém da Judéia, no tempo do rei Herodes, eis que vieram do oriente a Jerusalém uns magos que perguntavam:
Onde está aquele que é nascido rei dos judeus? pois do oriente vimos a sua estrela e viemos adorá-lo.
O rei Herodes, ouvindo isso, perturbou-se, e com ele toda a Jerusalém;
e, reunindo todos os principais sacerdotes e os escribas do povo, perguntava-lhes onde havia de nascer o Cristo.
Responderam-lhe eles: Em Belém da Judéia; pois assim está escrito pelo profeta:
E tu, Belém, terra de Judá, de modo nenhum és a menor entre as principais cidades de Judá; porque de ti sairá o Guia que há de apascentar o meu povo de Israel.
Então Herodes chamou secretamente os magos, e deles inquiriu com precisão acerca do tempo em que a estrela aparecera;
e enviando-os a Belém, disse-lhes: Ide, e perguntai diligentemente pelo menino; e, quando o achardes, participai-mo, para que também eu vá e o adore.
Tendo eles, pois, ouvido o rei, partiram; e eis que a estrela que tinham visto quando no oriente ia adiante deles, até que, chegando, se deteve sobre o lugar onde estava o menino.
Ao verem eles a estrela, regozijaram-se com grande alegria.
E entrando na casa, viram o menino com Maria sua mãe e, prostrando-se, o adoraram; e abrindo os seus tesouros, ofertaram-lhe dádivas: ouro incenso e mirra.”

           Os três reis magos tinham um propósito, um objetivo, e dependeram da orientação de Deus para essa viagem, ela não foi feito ao acaso.

No versículo 10 vemos que eles se regozijaram. Isso é uma extrema ação e reação de alegria. Não é somente satisfação ou contentamento. Eles tiveram uma atitude de júbilo em somente saber do nascimento. Será que nós que O conhecemos não poderíamos ter essa mesma atitude? Nós temos motivo de ter uma atitude jubilosa? Sim, claro que temos! O próprio Espírito Santo habita em nós, e isso já deveria ser nosso motivo de alegria. Muitos de nós parecemos estar indiferentes, mergulhados na inércia e no ostracismo na maioria do tempo. A nossa felicidade deve estar em Deus, não nas coisas terrenas.

Qual é o motivo da sua tristeza? E o de sua alegria?

Como podemos transparecer Jesus se parecemos tristes? Não que seja proibido ficarmos tristes, mas não podemos fazer disso uma rotina. O mundo precisa ver que existe um Deus e que Ele é o motivo da nossa alegria.