Arquivo mensais:abril 2014

Experiência, espinho e graça

Pr. Murilo Mulieri
Texto base: II Coríntios 12: 1-10

Observando o texto de II Coríntios vemos três etapas importantes que significaram fases na vida de Paulo que o fizeram mudar de visão.
Também em nossas vidas precisamos passar por essas fases e podemos aprender através da palavra o que Deus nos ensina em cada uma dessas etapas.

1) Experiência: Paulo fala sobre sua experiência. Uma experiência dele com Deus. Algo íntimo que aconteceu por causa do seu relacionamento, amizade com o Senhor.
Essa é a primeira coisa que precisamos ter. Experiências com Deus.
Existem dois tipos de experiências:
Experiência natural: contar algo, fazer algo humano, normal para as pessoas ou coisas aprendidas.
Experiência sobrenatural: coisas que não conseguimos explicar, anormal aos olhos humanos, que mais se sente do que se explica.
Uma coisa é falarmos sobre Deus, outra coisa é pessoas verem o que estamos vivendo com Deus.
Muitas vezes faltam experiências marcantes com Deus em nossas vidas.
São as experiências com Deus que nos manterá firme na fé mesmo em momentos difíceis.
Trazer à memória o que nos dá esperança, é lembrar das experiências com Deus. Quando o Senhor nos tocou, nos salvou.
Lembrar das experiências com Deus pode nos levar a  ter novas experiências com Ele.
Deus é um Deus de experiências. Em coisas mínimas. Em todos os detalhes.
Paulo no texto de Coríntios havia tido uma experiência há quatorze anos, mas ela o sustentava no tempo de dificuldade.

2) Espinho: Deus deu uma experiência para Paulo, mas permitiu um “espinho”, um problema uma circunstância ruim para manter Paulo dependente de Deus.
Muitas vezes os problemas enviados nas nossas vidas, nos mantém vivos buscando a Deus, orando todos os dias, sendo mais dependentes do Senhor.
Paulo queria se livrar do espinho. Assim como nós sempre queremos nos livrar dos problemas.
Todos nós temos espinhos!
O espinho é a área de nossas vidas em que somos mais vulnerável, a área que sofremos mais ataques, mais perseguições.
Mas alguns espinhos tem propósito de Deus. Existe um lado bom de ter problemas, Deus os usa para fazer algo em nossas vidas.
Muitos de nós não aceitamos os espinhos. Fingimos que os problemas não existem. Isso é um erro!
Paulo orou três vezes e nada aconteceu. Alguns estão decepcionados com Deus porque oram e nada acontece. Pensam que o Senhor não se importa.

II Coríntios 4:8-12 e vers 17-18
Esses versículos nos mostram claramente que quando estamos em Cristo, os espinhos da carne são como um “lado de fora” que não atinge nosso espírito, nosso “lado de dentro”.
Essa é a nossa posição como Cristãos. Os problemas podem vir do lado de fora, mas dentro de nós existe uma vida com Deus que não pode ser tocada, experiências, valores que não podem ser alterados.
Todos os problemas vão passar, se não passar, a morte vai chegar também. Mas existe algo que é eterno e isso sim deve ser nossa esperança.
Em tempos muito bons, não buscamos tão intensamente a Deus. Dificilmente há clamor, indignação nos bons momentos.
As vezes deveríamos pensar: porque eu sou tão abençoado? Porque mesmo sendo tão abençoado eu não consigo melhorar?
Questionar as bênçãos e agradecer os espinhos. Inverter o lógico e normal. Lembrar que foram os problemas que provavelmente nos trouxeram a Deus.
Se o Senhor está permitindo problemas é porque Ele quer mostrar a força Dele, Ele quer abençoar, quer ensinar alguma coisa, quer nos fazer romper dando toda a glória à Ele.
Marcos 4:35-41
Todas as vezes que Deus quiser te levar para um outro lado, um outro nível, virá tempestades em sua vida. Mas se Jesus liberou a palavra, não importa a circunstância, Ele vai cumprir ate o final.
Quando questionamos a Deus, estamos expressando nossa falta de fé. Mostrando que não entendemos, nem conhecemos a Deus de fato.
Paulo orou três vezes pelo espinho e parou, porque Ele descobriu que aquele problema era o combustível para que ele recebesse a graça superabundante de Deus.

3) Graça: Deus mostrou para Paulo que ele não precisava da resolução do espinho. Ele precisava da graça do Pai.
Enxergamos os problemas de maneira muito natural.
Nosso maior problema não é o espinho, nosso problema é a carne! O problema é que somos muito carnais, muito vivos ainda! Almáticos! Não conseguimos entender os propósitos de Deus nos problemas.
Deus não trabalha com pessoas carnais! Deus quer nos levar a sermos pessoas espirituais. Que enxergam as tribulações como leves e momentâneas.
Quando somos espirituais temos esperança, não ficamos somente abatidos vivendo em meio a reclamações.
Salmo 127:1-2
Deus abençoa seus filhos enquanto “dormem”, descansam, experimentam a graça e a paz do Senhor.
Não importa o tamanho do espinho, existe graça de Deus o suficiente para nos sustentar.
Deus não resiste a um coração contrito e quebrantado. Esse é o segredo. Murmurar menos, reconhecer mais as próprias fraquezas.
Sempre existe uma saída para quem anda por fé! Essa saída se chama graça de Deus!

O Valor da Fidelidade Diante de Deus

Pr. Heleno Almeida

Texto base: Ester 2:5-6

Um fato que deve ser avaliado por nós, é que fidelidade caminha junto com a obediência. Muito tem se ouvido falar sobre fidelidade, sobre ser fiel, porém poucos querem de fato ser obedientes. Não existe fidelidade sem obediência.

Vamos falar sobre um homem na bíblia que por ser obediente e fiel a Deus, pôde provar também da fidelidade de Deus na vida dele. Esse homem se chama Mardoqueu. Um homem como nós, que passou por diversos problemas e dificuldades, porém permaneceu obediente e fiel diante de Deus.
Nosso estudo começa em Ester 2:5-6, quando todo o povo judeu foi levado exilado de sua terra, entre eles Mardoqueu e Ester. Diz a bíblia que os pais de Ester foram mortos, e Mardoqueu a tomou por filha, muito provavelmente todo o resto da família também deve ter sido morta juntamente com os pais de Ester. Aqui começa esse grande desafio na vida desse homem. O grande ponto forte da vida de Mardoqueu, é que ele por ele ser obediente e fiel a Deus, todos os desafios que ele passou, ele os transformou em oportunidades. Mardoqueu era judeu, e cria na fidelidade de Deus: esse foi o segredo de sua vida, crer na fidelidade de Deus, logo cada problema e dificuldade era transformado em oportunidade.

A seguir, vamos listar os desafios que Mardoqueu passou em sua vida:

01-   Quando adotou Ester

Em um momento difícil de sua vida, Mardoqueu não deixou Ester sozinha, mas se prontificou em adotá-la. Aqui Mardoqueu também tinha perdido a sua família, e também tinha sido levado exilado para fora de sua terra, com outros costumes, com outro rei. Imagine e se coloque no lugar dele, sem família, sem seus líderes, sem seus pertences, e com uma jovem para criar. Mas ele não a deixou de lado, e começou criando um desafio em oportunidade.

02-   Quando Ester foi recrutada para o harém do palácio do rei

Mesmo Ester sendo recrutada para o harém, Mardoqueu ainda continuou cuidando de Ester. A bíblia nos diz que ele passeava todos os dias no pátio da casa das mulheres, Ester 2:11, afim de saber se Ester precisava de alguma coisa. Ainda que longe de Ester, Mardoqueu cuidava dela como se ainda morassem juntos. E olha Mardoqueu transformando dificuldades em oportunidades novamente.

03-   Denunciou um atentado contra o rei

Quantos crimes você já denunciou para a polícia? Talvez nenhum! Mardoqueu denunciou um atentado contra o rei, que nem era o seu rei. Ele se arriscou ao denunciar esse negócio, novamente ele transformou um desafio, um problema em oportunidade.

04-   Não se prostrou diante de Hamã, mostrando que ele era judeu

Em Ester 3:1-6, vemos Mardoqueu se posicionando como homem de Deus. Hamã foi nomeado acima de todos os príncipes que estavam junto com o rei, e com tal autoridade, Hamã fez uma lei em que todos os servos do rei deveriam de curvar diante dele. Porém Mardoqueu tinha entendimento que deveria se curvar somente diante de Deus, e não se curvou diante de Hamã.
Com tal atitude, sendo fiel à Deus, Mardoqueu se expôs ser judeu, se expôs como servo de Deus, ele assumiu a posição como servo de Deus. Pessoas e problemas vão querer o tempo todo fazer nós nos prostrarmos diante deles, mas como Mardoqueu, devemos assumir quem nós somos, e a quem nós servimos.

Em Mateus 4:9, vemos que Jesus também foi colocado a prova, porém Jesus assim como Mardoqueu, não se prostrou diante das dificuldades. Aquele que negar a Jesus, Jesus também o negará ao Pai, como vemos em Mateus 10:33. Se posicione!

Muitas vezes não temos noção do valor da nossa fidelidade diante de Deus. Mardoqueu soube aproveitar cada desafio e transformar em oportunidade, sendo fiel e obediente a Deus. Podemos ver em Ester 8:1-9, a resposta de Deus com Mardoqueu. Temos que entender que a nossa fidelidade causa movimentação no mundo espiritual, e isso repercute no mundo natural.

Com base no que aprendemos, quais tem sido as oportunidades que você tem? Valorize aquilo que Deus permite em sua vida, aquilo que Deus permite você passar. Não olhe para a vida da pessoa ao seu lado, pois as oportunidades que temos, são infinitamente mais importantes do que aquela que não temos. Pense: “porque Deus permitiu tal coisa?”; “Por quê?”; “Para onde isso pode me levar?”. Não entendemos certas coisas, mas simplesmente creia que o Senhor tem algo para fazer através disso, e avalie cada situação, e coloque em oração diante de Deus.

A fidelidade do Senhor é certa, pois já está escrita e selada com o anel do Rei, não tem mais como voltar atrás. Somente eu tenho o poder de não aceitar a fidelidade de Deus em minha vida, somente eu. Mardoqueu foi o segundo homem do reino, atrás apenas do rei. Tudo porque se posicionou e transformou o desafio em oportunidade. Seja obediente e fiel a Deus, e faça prova da fidelidade de Deus, não fique passivo diante disso. Se não me colocar de pé, não vou ver a fidelidade de Deus sobre a minha vida, muito menos ser fiel a Ele. Pois queremos fidelidade de Deus, mas não queremos ser fiéis a Ele, e no primeiro desafio “pulamos fora do barco”. Não renuncie aquilo em que Deus te dá como oportunidade.

Deus tem chamado um povo para fazer a diferença aqui nessa terra. Em Ester 4:1, lemos que Mardoqueu, ao saber que Hamã havia feito uma lei para que fossem mortos todos os judeus, saiu pela cidade clamando e chorando diante de Deus. Mardoqueu clamou no meio da cidade, ele se humilhou diante de Deus. Talvez muitos devem ter chamado ele de louco, mas Mardoqueu não se importou, com nada nem ninguém, mas saiu pela cidade clamando com um amargo clamor, ele foi profundo diante de Deus. Onde está a minha coragem? Aceitamos ser subjugados pelos problemas, e não nos posicionamos, não fazemos nada em relação à isso.

Qual tem sido a minha posição? Mardoqueu fez valer a pena a fidelidade de Deus na vida dele. Veja em Ester 8:15 o resultado de tudo em que Mardoqueu foi fiel e obediente a Deus. Passou de “panos de saco” a vestes reais! Valeu a pena Mardoqueu  ser fiel. Vale à pena sermos fiéis!

“E para os judeus houve luz, e alegria, e gozo, e honra.” Ester 8:16

Esse é resultado daqueles que são fiéis e obedientes com Deus, e que transformam todos os tipos de problemas e situações em oportunidades. Não desista daquilo que Deus tem para você, seja fiel a Ele, e no mais o Senhor é quem vai fazer.

Encontro de Casais 2014

Data: 8 à 10 de Agosto
Local: Chácara Ponderosa (Estrada Keida Harada, 999 – Suzano / São Paulo)
Preletor: Pr. Nando Cardoso (da Videira de Goiânia)

Inscrições: Durante a semana (das 8:30 às 18h e das 19h às 22h) na recepção da Comunidade Casarão do Vl. Vitória e nos domingos (final do culto) na Secretaria Express.

Faça já sua inscrição!!!!

Verdades sobre o Inferno

Pr. José da Silva

Texto base: Lucas 16:19 a 31

É tão raro hoje em dia se ouvir falar a respeito do inferno, mesmo sendo esse um assunto de grande importância para a igreja. Jesus falava sobre o inferno, mas ele o conhecia? Sim! Ele o criou. Em João 1 podemos ver que Ele estava presente quando todas as coisas foram criadas. Porém, o inferno não foi feito para o ser humano, mas para o diabo e seus anjos. O ser humano que vai pra lá, vai, por decisão própria.

“Havia um homem rico que se vestia de púrpura e de linho fino e vivia no luxo todos os dias. Diante do seu portão fora deixado um mendigo chamado Lázaro, coberto de chagas;
este ansiava comer o que caía da mesa do rico. Em vez disso, os cães vinham lamber as suas feridas.
“ Chegou o dia em que o mendigo morreu, e os anjos o levaram para junto de Abraão. O rico também morreu e foi sepultado.
No Hades, onde estava sendo atormentado, ele olhou para cima e viu Abraão de longe, com Lázaro ao seu lado.
Então, chamou-o: ‘Pai Abraão, tem misericórdia de mim e manda que Lázaro molhe a ponta do dedo na água e refresque a minha língua, porque estou sofrendo muito neste fogo’.
“Mas Abraão respondeu: ‘Filho, lembre-se de que durante a sua vida você recebeu coisas boas, enquanto que Lázaro recebeu coisas más. Agora, porém, ele está sendo consolado aqui e você está em sofrimento.
E além disso, entre vocês e nós há um grande abismo, de forma que os que desejam passar do nosso lado para o seu, ou do seu lado para o nosso, não conseguem’.
“Ele respondeu: ‘Então eu lhe suplico, pai: manda Lázaro ir à casa de meu pai,
pois tenho cinco irmãos. Deixa que ele os avise, a fim de que eles não venham também para este lugar de tormento’.
“Abraão respondeu: ‘Eles têm Moisés e os Profetas; que os ouçam’.
” ‘Não, pai Abraão’, disse ele, ‘mas se alguém dentre os mortos fosse até eles, eles se arrependeriam’.
“Abraão respondeu: ‘Se não ouvem a Moisés e aos Profetas, tampouco se deixarão convencer, ainda que ressuscite alguém dentre os mortos’ “.

Lucas 16:19-31

O modernismo está fazendo com que as pessoas se tornem incrédulas. A maioria das pessoas ou não acreditam na existência do inferno, ou simplesmente acham que ele é aqui. Mas nem imaginam o quanto estão enganadas!

Segundo o texto, o rico não foi para o inferno por causa de suas riquezas, mas por causa do apego exagerado às coisas materiais.

Quais lições podemos aprender com este texto?

1)       Devemos ter sempre em mente o quão valiosa é uma vida

Precisamos ter ousadia para alertar as pessoas do perigo do inferno. Não podemos ter medo ou receio, a revelação da igreja sobre o inferno é para advertir as pessoas.

2)       A bíblia diz que quem crê em Jesus tem a vida eterna.

O ser humano terá a vida eterna, a vida esta que a bíblia se refere como “Zoe”, vida de Deus. Mas aqueles que não tiverem essa vida irão para o inferno.

É terrível pensar que há mais clamor por salvação no inferno do que na igreja. Por que não nos importamos com o futuro eterno do nosso próximo?

Estamos fascinados pelo mundo, mesmo sabendo que a vida é muito curta. Aquele homem teve consciência da inutilidade de tudo aquilo que ele conquistou durante sua vida somente no inferno. Ele descobriu tarde demais que o purgatório não existia, assim como também não havia a possibilidade de passar para o lado de Abraão.

Precisamos entender hoje a gravidade deste assunto, pois o homem rico só descobriu depois de morrer. Precisamos falar de Jesus, acreditar na realidade do inferno e a fazer conhecida.

Falar de Jesus é fazer o bem. E a bíblia nos diz que aquele que sabe fazer o bem, e não o faz, comete pecado.